Total de visualizações de página

sábado, 24 de setembro de 2011

Melancholia - de Dürer a Lars von Trier

"POR QUE RAZÃO TODOS AQUELES QUE FORAM HOMENS DE EXCEÇÃO NO QUE CONCERNE À FILOSOFIA, À CIÊNCIA, À POESIA OU ÀS  ARTES, FORAM MANIFESTAMENTE MELANCÓLICOS, E ALGUNS MESMO A PONTO DE SEREM ATINGIDOS POR MALES ONDE A BILE NEGRA ERA A ORIGEM?" (Aristóteles)

Madalena - George de Latour





Reconhece-se a Melancolia pela sua eterna postura codificada na  antiguidade grega. Das estelas funerárias do século Vac ao retrato do dr. Gachet de Van Gogh, a atitude não muda muito. São Jerônimo ou Madalena, retratos de cavalheiros, autoretratos de artistas, a pose é semelhante. As costas curvadas, a cabeça inclinada, o olhar voltado para o chão, perdido em devaneios ou implorando em direção ao espectador. Uma das mãos sustenta o maxilar ou a fronte. O universo é plumbeo - e o chumbo é um metal saturnino - o corpo    petrificado, a alma enclausurada sob o peso das lembranças, mágoas, nostalgias. Lassitude e concentração.
  
A história da melancolia começa no século IV ac, na Grécia. É lá que aparece pela primeira vez a palavra melankholia que é formada pela associação de duas palavras: melan = escuro e kholia = bile. Foi traduzida para o latim Melancholia, a partir do século IIIdc .
Os Pensadores gregos da época, após determinarem as leis que regem a natureza, voltaram-se para o indivíduo, utilizando os princípios desenvolvidos para a natureza. Como ela compreende quatro estações e a matéria quatro qualidades fundamentais - calor, frio, seco, úmido - as quatro estações do ano, os quatro pontos cardeais, os quatro elementos  - água terra fogo e ar -, o Homem, pensaram eles, deve também estar constituído por quatro elementos. Então, no século IVac , num escrito intitulado ' Da Natureza do Homem', Hipócrates isolou no corpo humano quatro 'humores': três deles seriam substâncias residuais provenientes de parte dos alimentos não digeridos pelos corpos. A bile negra (melan kholia) proveniente do baço, a bile amarela proveniente do fígado, a fleuma das linfas e o sangue. A saúde se define em consequência do equilíbrio dos quatro humores e, a doença, do predomínio de uma dessas substâncias. 
A melancolia designa, por um lado, uma substância natural do corpo mas, por outro, a doença ligada ao excesso desta substância. O equilíbrio entre a bile negra aquecida ( que geraria o furor) e a bile negra esfriada (que causa a prostração), a temperatura média, poderia engendrar um estado de inspiração genial. A melancolia inspirada não seria patológica.
Com a chegada do Cristianismo alguns anacoretas em retiro no deserto experimentavam uma espécie particular de melancolia conhecida como ACEDIA, palavra derivada do grego AKÊDIA que significa negligência, indiferença ou tristeza profunda, abatimento, lassidão. Também conhecida como 'demônio do meio dia', passa a figurar como o sexto dos, na época, oito pecados capitais.
Saturno é o planeta associado à Melancolia. Essa associação vem dos astrólogos árabes que, no século VIIdc traduzem e interpretam o pensamento grego. A lenta evolução de Saturno no céu, sua influência restritora sobre as criaturas, a demora que ele causa, seriam características melancólicas. Porém, no século XII, esta tradição astrológica encontra uma outra tradição que se fundamenta sobre a ligação entre os sete planetas conhecidos e os sete dons do Espírito Santo. Esta nova associação deu a Saturno o maior dos dons- a Sabedoria.
Em 1514 o artista alemão Albrecht Dürer criou a gravura em metal 'Melancholia I' que Moacir Scliar em seu livro 'Saturno nos Trópicos' assim descreveu:
'Representada como uma mulher de asas  potencialmente capaz de altos voos intelectuais. Mas ela não está voando. Está sentada imóvel, na clássica posição dos melancólicos, com o rosto apoiado em uma das mãos (...) a cabeça lhe pesa, cheia que está de mórbidas fantasias. Os músculos da nuca, que deveriam manter erguida aquela cabeça, de há muito cansaram.No ansioso esses músculos estão sempre tensos; é uma tensão arcaica, a mesma que faz o herbívoro erguer a cabeça alarmado quando fareja um carnívoro. Na Melancholia I,às voltas com demônios interiores, a ameaça externa, real ou imaginária, não importa muito. Permanece imóvel como se lhe faltasse ânimo para movimentar-se ou (...) a figura encontra-se em intenso transe visionário(...).Sua fronte está coroada com plantas aquáticas destinadas a combater a secura que, como vimos, é uma das características dos melancólicos.
Junto à Melancolia, um cão adormecido. Dizia-se então que o organismo do cão é dominado pelo baço (...). Na gravura ainda há uma profusão de objetos usados no cotidiano, em vários ofícios e na ciência.: uma balança, uma ampulheta, uma sineta, martelo, serrote, pregos. Aparentemente eles não estão ali para serem usados; ao contrário, sugerem imobilidade - a mesma imobilidade que transparece na  própria Melancolia e no sono do cão. O tempo está congelado: os dois compartimentos da ampulheta contém a mesma quantidade de areia. Uma tábua numérica cujos números somados dão sempre o mesmo resultado, na horizontal ou na vertical - uma alusão à geometria, muito valorizada então como fonte de conhecimento não apenas teórico. As chaves na cintura e a bolsa no chão - chave significa poder e a bolsa, riqueza. Estas são anotações do próprio Dürer.
Ela tem tudo isso mas falta disposição para ir em busca de novos espaços. A bolsa remete à avareza característica tradicionalmente atribuída aos melancólicos. Aliás, a Melancolia se apresenta com o punho cerrado, o PUGILLUM CLAUSUM que até hoje é um símbolo clássico da avareza. Walter Benjamin chama a atenção para a pedra. Dura e fria, é um símbolo da melancolia e da loucura também. No final da Idade Média havia um procedimento para tratar os loucos: fazia-se uma incisão no crânio do doente 'abrindo-lhe' a cabeça. Depois era lhe apresentar uma pedra supostamente dali retirada, a pedra 'causadora da loucura'. Daí veio a expressão louco de pedra."
A gravura de Dürer surge quatro anos depois do aparecimento de um manuscrito que circulava nos meios literários alemães, o DE OCULTA PHILOSOPHIA, de autoria de um filósofo versado em ocultismo Agrippa de Nettesheim. Ali ele distingue uma bile branca, à qual ele atribui o entusiasmo sucetível de estimular a criatividade e geraria três epécies de melancolia ligadas, seguindo uma ordem ascendente, às três faculdades da alma: a imaginação, a razão e o espírito.
A primeira, a Melancholia Imaginatoris seria o lugar de gênios de um tipo inferior. Ela governaria os homens mais incultos, aos quais ela permitiria o acesso a um status de pintor e de arquiteto. Ela reinaria também sobre as catástrofes naturais onde os cometas e arco íris seriam signos premonitórios.
A segunda, a Melancholia Rationis acompanharia os filósofos, os doutores e os oradores que, graças aos gênios intermediários, teriam acesso ao conhecimento pela razão. Os livros e tudo aquilo que demanda tempo e números pertenceria a esta segunda esfera melancólica.
A terceira, a Melancholia Mentis reuniria os espíritos mais elevados e a eles revelaria a lei de Deus. Na sua esfera de influênia, os cometas e os arco íris poderiam também anunciar a chegada de uma redenção final.
Na Melancholia I, Dürer coloca elementos citados por Nettesheim nas Melancolias 1,2 e 3, mas não cria obras individuais para cada uma delas. Com a obra de Dürer, a melancolia começou a tornar-se um sujeito autônomo, destacando-se de qualquer referência à teoria dos quatro humores ou temperamentos. Ela representa, antes de mais nada, uma mudança de paradigma. A melancolia já não é uma entidade médica, não é doença,não é pecado. É metáfora.

John Everett Millais
Lars von Trier criou uma obra cinematográfica belíssima com o tema. Seu filme Melancholia compreende esse universo metafórico e faz associações as mais variadas, sucitando questões ao mesmo tempo atemporais e contemporâneas, como inexorabilidade, finitude, controle e a falta de, ritualização, hipocrisia, inocência e sabedoria. O filme divide-se em duas partes: Justine e Claire, nomes das duas irmãs que protagonizam o drama. Justine (Kirsten Dunst) é linda e está se casando. Claire (Charlotte Gainsbourg) nem tão bonita, mas eficiente e controladora, é quem organiza a festa de casamento da irmã.  O Diretor usa a festa para apresentar seus personagens: A Noiva Justine, o Noivo  Michael, a Irmã Claire, o Cunhado John,o Sobrinho Leo, a Mãe da noiva Gaby, o Pai da noiva, o Chefe da noiva, o Assistente do chefe, o Mordomo da casa, o Cavalo Abraham. Na chegada dos noivos - atrasados - à festa, já notamos um mal estar que vai se tornando cada vez mais incômodo à medida que a história avança. Claire mostra-se excessivamente preocupada com rituais , horários e com o comportamento de Justine, procurando controlar tudo e manter as aparências. John é o rico proprietário do castelo situado em meio a um campo de golf, onde a festa acontece. Repete várias vezes que está gastando uma fortuna e, em conversa particular com Justine, menciona que eles tem um acordo: ela vai ser feliz. Ela diz que está tentando. Michael é, seu nome sugere, bom como um anjo,  de uma pureza quase naífe.  Aparentemente não está a par completamente do estado que vai tomando conta  de sua noiva : a profunda melancolia. Ao que parece, a família 'acha uma solução' para Justine, casando-a com aquele marido tão gentil e capaz de 'cuidar' dela. Justine chega na festa radiante e linda. É a primeira a perceber uma 'estrela' diferente no céu, que John diz ser Antares, mas que na verdade, é um planeta chamado MELANCHOLIA, que esteve escondido atrás do sol, e que agora se torna visível.( Há um planeta que se anuncia na gravura de Dürer também. E assim como na gravura de Dürer, todo o conhecimento e tecnologia representados pelos instrumentos - compasso, serrote, pregos, ampulheta, a esfera perfeita, o poliedro, a tábua dos números - vai ser inútil, o telescópio, o automóvel, a limusine, o carrinho de golf, o computador , o conforto e a segurança do próprio castelo, também serão.)
Durante a festa, a mãe das irmãs , Gaby, faz um discurso devastador. A partir daí, Justine inicia lentamente um processo melancólico. Já nada mais importa. Nem festa, nem casamento, nem marido, nem a promoção que o chefe dela anuncia, elevando-a de copidesquista à diretora de arte. Esse chefe representa os piores vícios de uma sociedade hipócrita, de exploração feroz das pessoas indistintamente. Ele tem um assistente chamado Tim a quem ele submete um joguinho sórdido. Esse rapaz, protótipo do jovem medíocre e ambicioso, aceita. O pai das irmãs é um bobo alegre, que resolve chamar todas as mulheres de Betty, inclusive a filha Justine, quando ela mais precisa dele. Humilha o mordomo - que no filme é tratado por Padrinho - que por sua vez, aceita a humilhação sem reclamar.A inocência está representada pelo sobrinho Leo, para quem Justine , a 'tia quebra aço', vai ser fundamental no final da história. E o instinto é Abraham, o cavalo.
Há que se destacar a música que funciona quase como um outro personagem : 'Prelúdio de Tristão e Isolda', de Wagner.

Após um diálogo entre as duas irmãs numa sala reservada onde Claire cobra o compromisso de felicidade da irmã, Justine, ao ficar sozinha, angustiada, troca todas as páginas dos livros de arte expostos nas prateleiras das estantes. As páginas exibem quadros de Malevich, abstrações geométricas ordenadas, claras, de rítmo dinâmico e progressivo. Nervosamente Justine vai trocando por imagens de Brueghel ('Os Caçadores' e 'A Cocanha' ), Caravaggio ('Davi e Golias'), John Everett Millais ('Ophelia') e Jeronnymus Bosch ( detalhe do tríptico 'O Jardim das Delícias Terrenas', painel do meio.)

Suiprematismo - Malevich
Suprematismo - Malevich


Cocagne - Brueghel
 A Cocagne é mito que surgia recorrentemente na Idade Média toda vez que as sociedades se viam diante de períodos de fome , morte e peste.  Era um lugar imaginário onde havia fartura inacabável até o fastio. Tudo era comestível: as árvores e as cercas do lugar eram feitas de bolos e pães. E as pessoas comiam tanto que acabavam prostradas, acometidas de uma 'acedia' imobilizante. Para se chegar a esse lugar, tínha-se que abrir caminho comendo uma montanha de massa. Tudo isso, Brueghel representou magnificamente no seu quadro. E a escolha dele pelo diretor do filme, é bastante feliz se o compararmos à festa do casamento e, mais ainda, à sociedade de luxo e consumo da Europa atual, cuja economia já começa a dar sinais de saturação e declínio.



CAçadores - Brueghel

A imagem ameaçadora destes caçadores chegando em silêncio sorrateiro na neve é a primeira a aparecer numa espécie de prólogo do filme. Ao som do 'Prelúdio de Tristão e Isolda', de Wagner, a imagem vai se deteriorando lentamente. É um mundo que acaba. Acabou no século XVI para os contemporâneos de Brueghel e Dürer, onde todas as certezas que tinham foram substituídas por outras, muito mais inquietantes, que viriam a se consolidar após a Reforma, os Descobrimentos, as lentes, os espelhos (lunetas e câmaras escuras) e a consciência dos espaços infinitos . E acaba agora, no nosso século, segundo von Trier, ao queimar sob o impacto do planeta Melancholia com a Terra, quando tudo irá ser destruído, inclusive toda a produção artística e cultural da humanidade. Consciência brutal da inutilidade de tudo. Metáfora de um momento histórico onde, outra vez, tudo são incertezas.

det Jardim das Delícias - Bosch
Um detalhe do tríptico 'O Jardim das Delícias Terrenas', de Jeronymmus Bosch aparece também em destaque. No meio de tantas figuras inquietantes, há um pequeno ser humano , bem no centro, assumindo a pose clássica da melancolia. Assim como Justine, que vai se tornando cada vez mais melancólica no meio da fartura e de todas aquelas 'delícias terrenas'.



Davi e Golias - Caravaggio

Esse trágico Caravaggio, cuja cabeça do Golias é um auto retrato segundo alguns autores, também figura entre as imagens escolhidas por Justine para ficarem expostas nas prateleiras. A cabeça do gigante cortada por um jovem que a observa com um misto de piedade e desdém, é uma das últimas obras do artista, cujo tema da decapitação se torna fequente a partir do momento em que ele é condenado à morte por enforcamento.




A referência à obra de John Everett Millais nesta cena é muito clara: Justine como uma moderna  Ophelia que, de certo modo, também se suicida ao entregar-se à depressão-acedia-melancolia-spleen-morteemvida. Sua imagem radiante do início, vai se desfazendo, apagando aos poucos a maquiagem, desmanchando o cabelo, rasgando o véu, tirando o vestido que, de lindo, passa a ser um enorme estorvo que a impede de caminhar. Um vestido que também se assemelha ao vestido do anjo na gravura de Dürer.Quem renasce é outra Justine,serena, segura e generosa como um anjo da morte que segura nossa mão nos instantes finais, que nos abriga em mágicas cavernas de gravetos. Justine na forma da sabedoria de Saturno.

Melancholia - Cranach
 Há outros três quadros denominados Melancholia no século XVI. São posteriores à gravura de Dürer e são de Cranach. Cada um deles ilustra um dos três estágios da Melancolia como descritos por Agrippa Netesheim. Nos três, o anjo da melancolia está afiando um graveto, gesto que vai ser imitado por Justine e seu sobrinho Leo, quando ela propões que eles construam a caverna mágica.



A obra de Paul Delvaux, surrealista das décadas de 30 e 40 , não aparece no filme mas o clima das cenas está impregnado de suas imagens principalmente a cena em que Justine aparece nua iluminada pelo Melancholia.




Songe - Paul Delvaux

O filme é uma obra prima, na minha opinião. Inúmeras leituras enriquecem o entendimento: desde o significado dos nomes ( Justine - justiça - é a heroína de uma das obras mais famosas do Marques de Sade), Claire (clareza), John ( o que anuncia o  Apocalipse), até uma leitura sócio econômica de uma sociedade que está prestes a se defrontar com o fim dos tempos, o fim de SEU tempo, a mudança da era, a passagem para Aquário, que, ao contrário do que cantávamos nos anos sessenta, the moon is not in the 7th house, e a tolerância e o amor não estão no ar.

"Numa enchente Amazônica, numa explosão Atlântica, e a multidão vendo em  pânico, e a multidão vendo atônita, ainda que tarde, o seu despertar." Chico Buarque

Trilha sonora e algumas belíssimas imagens:
http://www.youtube.com/watch?v=QrcpxETbDxg

Filmes que estou me lembrando agora

  • "Melancolia"( Lars von Trier)
  • "O Jardineiro Fiel" ( Fernando Meireles), "Apocalypsis Now" ( Coppola), "Amarcord" (Fellini)," Cidade de Deus" ( Fernando Meireles), "Lavoura Arcaica" (Luis Fernando Carvalho),"A Noite dos Desesperados" ( Sidney Pollack),"Excalibur"( John Borman), "Jules et Jim" ( François Truffaut), "Roma" ( Fellini),"Blow Up"(Antonioni),"Salam Cinema!"(Makhmalbaf),"Babel" (Alejandro Iñarritu),"Diários de Motocicleta" ( Walter Moreira Sales)
  • "Volver"(Almodóvar), "Hable con Ella" (Almodovar), "Carne Trêmula"(Almodóvar), "Ata-me' (Almodóvar), "Todo Sobre mi Madre"(Almodóvar), "Barcelona" ( Woody Allen), "Match Point" (Woody Allen), "Manhattan" (Woody Allen)
  • Onegin (Martha Fiennes)

Livros que estou me lembrando agora

  • " A Prosa do Observatório" ( Julio Cortazar), "Passeio ao Farol" ( Virginia Woolf), "Budapest" ( Chico Buarque),"Hamlet" ( Shakespeare),"O Segredo da Flor do Ouro"(Jung),"A Arte Cavalheiresca do Arqueiro Zen"(Eugen Herrigel), "I Ching o livro das mutações"(tradução de Richard Wilhelm),"Bhagavad Ghita"(tradução de Ramananda Prashad),"As Mil e Uma Noites'( tradução de Mamede Moustapha Jarouche),"História da Arte Italiana 1,2,3"(Giulio Carlo Argan),"Carnaval no Fogo" (Ruy Castro),"De Todos os Fogos o Fogo" (Julio Cortazar), "El Libro de los Seres Imaginarios"( Jorge Luis Borges),"Cartas a Theo' ( Vincent Van Gogh), "Noa Noa "(Paul Gauguin),"O Paraiso na Outra Esquina" ( Mario Vargas Llosa), " A Invenção da Liberdade"( Satarobinsky)
  • "Evangelho Segundo Jesus Cristo"( Saramago), "Ensaio sobre a Cegueira"(Saramago), O "Leite Derramado" (Chico Buarque), "As Núpcias de Cadmo e Harmonia" (Roberto Calasso)," Mulheres, Militância e Memória"( Elizabeth X. Ferreira), "Logações Perigosas" ( Chauderlos de La Clos),"Drácula"( Bram Stocker),"Do Espiritual na Arte" ( Wassily Kandisnky)